quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Política na Terra dos PTralhas, coxinhas, Bolsominions e outras espécies da fauna nativa.


Política é a arte de governar e conciliar interesses, segundo Aristóteles, seu objetivo seria a felicidade humana.
No início das sociedades humanas era exercida de forma direta, com os indivíduos manifestando suas opiniões em reuniões de seus agrupamentos.
Todavia, com o crescimento dos grupos sociais e a especialização das atividades dos integrantes, houve a necessidade de criação da democracia representativa, onde os indivíduos escolhem pessoas que irão representá-los e tomar decisões  em seu nome, em reuniões de grupos menores.
No início destas assembleias, não haviam partidos políticos, mas meros grupos que defendiam interesses comuns, as facções políticas, as quais se agrupavam de acordo com as necessidades e oportunidades.
Com o decorrer do tempo, tais facções foram se aperfeiçoando e surgiram os partidos políticos, uma união de indivíduos que defendem uma mesma ideologia, organizados na busca de conquistar e manter o poder.
Assim, o jogo democrático pressupõe o debate de idéias de diferentes ideologias, representadas pelos partidos políticos, na busca da conquista dos votos dos cidadãos, concedendo igualdade de oportunidades entre os concorrentes e liberdade de escolha aos eleitores.
A democracia real somente ocorrerá quando houver real possibilidade das minorias não só participarem das eleições, mas, também, de efetivamente conquistar o poder.
Para tanto, deve se estabelecer regras para garantir a existência e a lisura do debate democrático, evitando abusos dos mais diversos, como dos meios de comunicação, do poder político, econômico e, mais recentemente, até religioso, com sacerdotes abusando da influência da fé que propagam para obter sufrágios aos seus candidatos.
O cerne de todo este sistema é privilegiar o debate de idéias.

Entretanto, desde o início desta década, no Brasil veio se criando um clima de polarização, onde, antes de discutir idéias, optou-se pela defesa de lideranças messiânicas, deixando projetos nacionais e planos de governo vários planos para trás.
Os opositores deixaram de ser debatedores de idéias e passam a ser tratados como inimigos a ser combatidos, e os grupos adotam comportamento típicos da piores torcidas organizadas de futebol, muitas vezes partindo para a violência física.
Com a discussão relegada ao segundo plano, a desconstrução do adversário vira prioridade, e o anonimato propiciado pela internet, principalmente em suas redes sociais, virou campo fértil para a disseminação das fakenews, com o compartilhamento de notícias das mais absurdas e criminosas, sem qualquer compromisso com a verificação da verdade, por mais grave que seja o conteúdo.
Nesta briga de torcidas, demonstrar a falsidade de notícias compartilhadas, buscar debate ideológico e formular críticas políticas aos escolhidos pelos torcedores é uma ato inaceitável.
Em tempos de extremismo e política de ódio, o revolucionário é pensar diferente.
Seja revolucionário, leia, pesquise, interprete, debata, o diálogo entre os cidadãos é construtivo e o melhor para nossa sociedade.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Os defensores dos Direitos dos Manos.


Na semana em que a Lei Maria da Penha, uma norma criada para combater a violência doméstica contra a mulher, completa 12 anos de sua sanção, o Brasil assiste estarrecido em seus mais diversos meios de comunicação a notícia do crime de feminicídio cometido contra uma advogada por seu marido no Paraná.

A vítima com nível universitário, o que per si a colocava dentro de uma elite em nosso País, de menos de 10% de nosso povo com diploma universitário, não teve como se defender contra a violência que lhe foi perpetrada por seu companheiro, um professor universitário, de quem se esperava um comportamento de maior civilidade, dentro do senso comum que paira sobre nós de quem é o chamado “cidadão de bem”.

Também não recebeu apoio de seus vizinhos, apesar de vários declararem haver escutado e testemunhado as agressões, se escudando na máxima de que “em briga de marido e mulher não se mete a colher”.

Em São Paulo, foi encontrada o corpo da PM brutalmente assassinada após haver revelado sua profissão depois de ter seu aparelho celular subtraído, um crime igualmente desproporcional e bárbaro.

Ao Norte do Brasil, na fronteira de Roraima com a Venezuela, a Justiça determina o bloqueio de tal passagem, determinando a proibição da entrada em nosso território de pessoas perseguidas pelo regime totalitário que se instalou lá, o qual, inclusive, contava com o apoio de nosso governo há pouco tempo, o Mercosul deve funcionar para fins econômicos, mas se esquecem dos humanitários.

Para completar este cenário, um militar candidato a um cargo público profere publicamente frase claramente racista e discriminatória contra indígenas e negros.

O que vemos e nos agride, em maior ou menor escala, são atos que ferem, de forma diversa, variados bens da vida, ou melhor dizendo, Direitos Humanos, ou, também, na esfera constitucional brasileira, Direitos e Garantias Fundamentais, os quais integram o patrimônio individual de cada um de nós e, ao mesmo tempo, ao coletivo, de todos os cidadãos, seja de nosso País, seja dos maios diversos recantos desta Gaia.

Em face de tais feridas cabe duas atitudes, defender a integridade dos direitos agredidos e buscar a punição dos responsáveis, dentro das normas colocadas, e sem nos deixar seduzir pelo discurso fácil das “vendetas”, visto que há muito já superamos a fase da Lei de Talião onde se pagava “olho por olho e dente por dente”.

Mano também é uma gíria popular para designar carinhosamente a um irmão ou pessoa próxima, e todo ser humano merece ser reconhecido como um Irmão em seus Direitos Fundamentais.



Aceitar a agressão ao próximo hoje é abrir mão de nossos próprios direitos, que poderão estar sendo agredidos amanhã, ante a universalidade e natureza coletiva dos Direitos Humanos, cabendo assim a todos nós a conscientização sobre tal situação e a defesa intransigente de todos eles, para todos nós.

Sejamos defensores dos Direitos dos Manos!


segunda-feira, 23 de julho de 2018

Pega na mentira


Hit do cantor Erasmo Carlos de 1981, a música “Pega na mentira”´, de forma descontraída e bem humorada, citava uma série de fatos sabidamente inverídicos e utilizava de seu refrão para falar que temos que combater a divulgação de mentiras, personificando-a como um animal a ser pego e maltratado.
Os tempos passaram e a nossa conhecida mentira cresceu e se transformou num monstro pior, agora denominado pela expressão em língua inglesa “fake news”.
O fenômeno chamou tanto a atenção que, em 2017, a expressão "Fake news", "notícias falsas", devido à sua repercussão e crescente utilização, foi nomeada a "palavra do ano" pelo dicionário em inglês da editora britânica Collins.

 Fake News virou verbete no dicionário britânico da Harper Collins, uma das 5 maiores editoras do mundo em língua inglesa.

Na Era Digital, todos nós passamos de simples consumidores de notícias produzidas pelos tradicionais órgãos da imprensa, seja ela rádio televisiva ou escrita, e nos tornamos disseminadores de notícias produzidas pelas mais diversas fontes, no mais das vezes sem qualquer verificação de seu conteúdo, inclusive formulando análises e comentários valorando-os, sempre como se fossem verdade absoluta.
O tradicional ditado popular “a mentira tem perna curta” deixou de fazer sentido, visto que este mal ganhou longas pernas e velocidade incontrolável, surfando nas ondas da internet, principalmente, por meio de nossos perfis nas redes sociais.
A prática disseminatória de mentiras ganhou maior relevância após as eleições presidenciais americanas e no referendo do Brexit, em 2016, no escândalo da Cambridge Analytica, no qual se descobriu que esta empresa utilizou-se de dados de usuários em redes sociais para proliferar notícias falsas, direcionadas de forma cirúrgica, de acordo com tendências ideológicas, como forma de influenciar ao eleitorado e afetar decisivamente o resultado daqueles pleitos.
Ocorre que, à partir do momento em que compartilhamos notícias e formulamos comentários sobre o conteúdo passamos a ser corresponsáveis pelas “fake news”.
Tal fato é tão relevante e nocivo, que no Brasil o Código Eleitoral prevê que é crime “Divulgar, na propaganda, fatos que sabe inverídicos, em relação a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influência perante o eleitorado” (art. 323 da Lei 4.737/1965).
Para os cidadãos em geral, há a possibilidade de enquadramento em crimes contra a honra, na lei comum (Código Penal), ou o crime de contratação direta ou indireta de grupo de pessoas com a finalidade específica de emitir mensagens ou comentários na internet para ofender a honra ou denegrir a imagem de candidato, partido ou coligação” na esfera eleitoral (§1º do art. 57-H da Lei nº 9.504/1997).
Precisamos estar cientes dos danos que uma notícia falsa pode causar, de forma indelével e continuada, à reputação de qualquer pessoa, dentro ou fora das eleições, e cuidar do conteúdo do que divulgamos, bem como dos comentários que emitimos.
O conteúdo publicado na web é replicada de forma descontrolada e as fake news se propagam de forma exponencial, não permitindo sua total remoção depois de lançadas, perpetrando seus efeitos contra os atingidos e levando inadvertidos a erro quanto a seu conteúdo.
Assim, temos que agir com mais segurança e responsabilidade, para tanto, primeiramente é bom verificar a fonte da notícia, constatando se é originada de órgão confiável, após, fazer uma pesquisa sobre o conteúdo, principalmente quando causar choque a nosso senso comum.
Para colaborar com este processo, hoje em dia, as redes sociais vem criando diversos meios de controle e verificação de conteúdos, inclusive utilizando-se dos serviços das Agências de Checagem de Fatos, das quais destacamos no Brasil a Agência Lupa (https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/), Aos Fatos (https://aosfatos.org/), Boatos.org (http://www.boatos.org/) e e-Farsas (http://www.e-farsas.com/), podendo tal instrumento ser utilizado por nós no dia a dia.
Lembre-se que seu clique pode ser um gatilho contra a honra de uma pessoa, e você pode ser usado como arma neste sistema, haja com inteligência e controle os impulsos ao postar na internet.



quarta-feira, 4 de abril de 2018

Adhemar, Lula e Luther King.

Às vésperas do julgamento do Habeas Corpus preventivo de Lula pelo STF, lembro-me de Adhemar de Barros, Interventor Federal e Governador de São Paulo, Prefeito da Capital nas décadas de 1930 a 60 e prócer do antigo PSP, que ficou associado ao bordão "Rouba mas faz", o qual, mais recentemente, foi herdado por Paulo Maluf, o qual, depois de várias décadas de chicanas judiciais, foi condenado judicialmente e levado à prisão.

Tais políticos sempre receberam dos partidos autodenominados de esquerda a pecha de representantes do mais execrável do que poderia existir na política e do mal a ser combatido.

Entretanto, causou-me espanto entrevistas de defensores do ex-Presidente Lula, condenado por vários crimes, de que este não deve ser levado a prisão em razão de tudo que fez pelo Brasil quando o governou, é o partido que diz defender a classe trabalhadora se apropriando da máxima que sempre disse combater, ou seria melhor dizer que está adequando seu discurso a sua prática verdadeira.

Aliás, ressalto que para dar um real sentimento de justiça, com combate à impunidade e à corrupção, a prisão de Lula não significará um marco final, mas sim mais um passo, que deverá prosseguir com o julgamento, condenação e prisão de todos os demais envolvidos nos mais diversos casos de corrupção pelo País afora.

Além disso devemos prosseguir na reforma política e em outras medidas como a restrição do foro por prerrogativa de função, conhecido como "foro privilegiado".

E deixo aqui também o alerta para os saudosos dos tempos da ditadura, os Malufs, Sarneys, Calheiros, ACMs e afins não surgiram por geração espontânea com a redemocratização do país, mas sim foram civis colaboracionistas do regime ditatorial militar.

Nesta data, também rememoramos os 50 anos do assassinato do líder da militância pelos Direitos Humanos Martin Luter King, autor do célebre discurso conhecido como "Eu tenho um sonho", do qual cito a passagem "Eu tenho um sonho que um dia "todos os vales serão elevados, todas as montanhas e encostas serão niveladas; os lugares mais acidentados se tornarão planícies e os lugares tortuosos se tornarão retos e a glória do Senhor será revelada e todos os seres a verão conjuntamente."

Pois eu também tenho um sonho, o de que a Justiça não se faça de cega frente ao clamor das ruas, que nesta era da informação, já conhece os seus meandros e artifícios, e permita a prisão dos corruptos assim como o faz com os "ladrões de galinha".

E mais que um sonho, que tenhamos projetos para a nossa Nação, com a escolha e eleição de políticos dignos e capacitados nas eleições que batem às nossas portas, para depois não quiçá não termos mais a necessidade de voltar às ruas para protestar.

Sonhemos e sejamos parte da ação já!